Participei do 16° Encontro Paranaense de Educação Ambiental (EPEA 2017) de duas formas: mediando uma oficina de produção colaborativa de revista digital e apresentando os resultados de uma pesquisa acadêmica, cujo título é ‘Princípios de Educação Ambiental no projeto Click Parafuso: educomunicação, fotografia e direitos humanos com adolescentes do MST’.

EPEA-2017-Parafuso-Educom

O trabalho já está disponível nos anais digitais do evento e pode ser baixado por qualquer um(a) na área específica do site.

A pesquisa investigou se o projeto Click Parafuso, realizado pelo coletivo Parafuso Educomunicação e pelo Centro Cultural Humaita, por ser educomunicativo e desenvolvido com um grupo de adolescentes e jovens que moram no campo, estaria alinhado aos princípios de Educação Ambiental preconizados pela legislação brasileira.

O projeto Click Parafuso ainda está em andamento e é financiado em parte com recursos do Edital de Apoio a Pequenos Projetos (da Fundação Luterana de Diaconia – FLD) e pelo Edital Comunica Diversidade (do Fórum de Ciência e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Ministério da Cultura e Governo Federal). De modo geral, realizou mais de 15 oficinas de direitos humanos e Educomunicação, com ênfase na linguagem da fotografia, no Assentamento Contestado, no município da Lapa (PR).

Além das oficinas, o projeto também prevê a realização de diversas outras atividades que podem ser acompanhadas na página do projeto, no portal da Parafuso Educomunicação.

 

Fotos: Arquivo Click Parafuso/ Parafuso Educomunicação.

Anúncios